junho 10

A subcisão como um método garantido no combate a celulite

A celulite é uma alteração da pele mais frequentemente encontrada nas nádegas e nas coxas. Neste artigo você vai ficar por dentro das principais opções de tratamento da celulite, destacando a subcisão como uma opção terapêutica ideal para essa condição esteticamente angustiante.

Leia e fique por dentro!

Celulite é um termo descritivo usado para caracterizar a alterações da pele.

Descrito pela primeira vez no início do século 20, tem sido referido por vários sinônimos, incluindo lipodistrofia ginóide, lipoesclerose nodular, paniculose, adipose edematosa dentre outras nomenclaturas.

Muitas modalidades, incluindo a subcisão, foram consideradas para tratar a celulite. Este artigo tem como objetivo revisar os antecedentes, a potencial fisiopatologia e as possíveis opções de tratamento da celulite, destacando a subcisão como uma modalidade terapêutica ideal para essa condição.

Apesar de sua alta prevalência (80% a 90%) em pacientes de todas as raças, poucos dados epidemiológicos sobre sua exata prevalência, incidência e fatores associados foram publicados.  A celulite pode piorar durante estados elevados de estrogênio, incluindo gravidez, amamentação e uso crônico de contraceptivos orais.

Embora dieta, exercício e estilo de vida, no entanto, não pareçam estar associados ao seu desenvolvimento, o ganho de peso e a obesidade podem piorar a aparência da celulite existente.

 A celulite em pacientes do sexo masculino é uma condição rara e só aparece em caso de obesidade, deficiência de andrógenos, deficiência de testosterona (hipogonadismo), síndrome de Klinefelter ou terapia com estrogênio para câncer de próstata.


Características clínicas 

A celulite pode afetar qualquer área com tecido adiposo subcutâneo. Embora seja mais frequentemente observado nas coxas externas, posteriores e nádegas, nos quadris, abdome em volta do umbigo, mamas, braços posteriores e pescoço posterior podem ser afetados.

A celulite deve sempre ser avaliada com pinçamentos em forma de beliscões nas áreas afetadas, usando o polegar e o indicador.

É importante pedir para que a paciente contraia o grupo muscular em um ambiente iluminado podem ajudar a acentuar e visualizar as irregularidades do contorno nas áreas afetadas.

A classificação clínica para celulite foi dividida em três graus.

O grau 1, a pele é lisa em repouso, no grau 2 a pele demonstra uma aparência de colchão ou casca de laranja em repouso e no grau III possui características e nódulos de grau II misturados com áreas elevadas e deprimidas em repouso.

Os autores Rossi e Vergnanini, classificaram a celulite com base na presença e gravidade dos achados clínicos e histopatológicos, do grau I ao IV.

 A celulite de grau I é clinicamente inadequada, mas pode ter alterações histológicas positivas precoces. A celulite de grau II é clinicamente inadequada em repouso, mas covinhas ou depressões tornam-se evidentes com beliscões na pele ou contração muscular. As celulites de grau III e IV são clinicamente aparentes em repouso, com as últimas apresentando uma gravidade da doença significativamente maior.

O primeiro método padronizado e objetivo de classificação da celulite, a escala de severidade da celulite (CSS), foi desenvolvido por Hexsel.

O método é validado e baseado em 5 aspectos morfológicos importantes da celulite, incluindo:

1) número de depressões;

2) profundidade das depressões;

3) morfologia clínica;

 4) extensão da flacidez, flacidez ou flacidez da pele;

Várias medidas baseadas em instrumentos para avaliar a celulite foram utilizadas em estudos clínicos, incluindo modalidades de imagem (por exemplo, ultra-som e ressonância magnética), propriedades biomecânicas (por exemplo, elasticidade) e vascularização (por exemplo, fluxometria com doppler a laser e termografia).

Sua relevância clínica permanece discutível. Embora a classificação numérica da celulite e o IMC tenham sido positivamente relacionados com a gravidade do grau da celulite.

Opções de tratamento

Várias terapias foram projetadas, comercializadas e destinadas a melhorar a celulite, incluindo terapia tópica, injetáveis, drenagem linfática, endermologia, terapia por ondas acústicas, terapia de luz, lasers externos não invasivos e radiofrequência.

A eficácia desses tratamentos estéticos promove um potencial de melhora, mas a paciente precisa sempre repetir o tratamento a fim de realizar manutenções periódicas.  

 Embora mais invasiva, a subcisão pode levar a uma melhora significativa na celulite após apenas um tratamento com pouco tempo de inatividade para a recuperação.


Terapia tópica

Inúmeros ingredientes cosmecêuticos tópicos, incluindo metilxantinas (por exemplo, cafeína), hiperemiantes e extratos botânicos, foram relatados para melhorar a aparência da celulite.  A estimulação da microcirculação cutânea, a promoção da lipólise e o aumento da colagenogênese dérmica em resposta a esses tópicos podem desempenhar um papel importante.

Terapia descongestiva física

A pressão positiva e negativa combinada da massagem mecânica a vácuo ou da drenagem linfática pode promover a microcirculação venosa e a drenagem linfática, o que ajuda a redistribuir o fluido extracelular. Os resultados com esses tratamentos demorados e dependendo da técnica são eficazes, mas, como na terapia tópica, são transitórios e precisam de aplicações contínuas.

Terapia por ondas acústicas

A terapia de ativação por pulso ou onda de choque utilizando aparelhos pode melhorar a microcirculação cutânea, produção de colágeno e drenagem linfática. Vários estudos demonstraram melhora na aparência ou no grau da celulite após 6 a 8 sessões.

Dispositivos de rádio frequência

Os dispositivos de rádio frequência geram calor aumentando a temperatura local desencadeando uma sequência de reações fisiológicas.

 A produção de energia eletrotérmica com esta modalidade é monopolar (eletrodo único com eletrodo de retorno), unipolar (eletrodo único sem retorno), bipolar (2 eletrodos) ou multipolar (3 ou mais eletrodos). Essa técnica é frequentemente associada a massagens para potencializar os seus efeitos.

Subcisão

A subcisão é uma técnica cirúrgica descrita pela primeira vez em 1995 que libera a derme reticular da amarração pelas bandas septais fibrosas subjacentes no tecido adiposo subcutâneo, resultando numa pele mais lisa e suave.

A melhora clínica observada após os cortes para a liberação fibrosa provavelmente também se deve em parte à redistribuição das forças de tensão subcutâneas e a realocação dos lóbulos gordurosos nos espaços criados pelo procedimento. A subcisão é recomendada apenas para as depressões da celulite presentes em repouso, ou seja, para os graus mais avançados, não para as depressões visíveis apenas com a contração muscular. As depressões são marcadas com lápis imediatamente antes do procedimento, com o paciente em uma posição relaxada.

Como é feito o procedimento

A infiltração percutânea direta de lidocaína diluída (0,1%) e bicarbonato de sódio (8,4%) com adrenalina em soro fisiológico produz anestesia local completa e hemostasia dos tecidos cutâneos e subcutâneos, tornando-o um procedimento ambulatorial sem a necessidade de anestesia sistêmica.

O fluido infiltrado também eleva hidraulicamente o tecido subcutâneo das estruturas vitais subjacentes, aumentando ainda mais a segurança do procedimento. A infiltração do fluido começa na camada subcutânea mais profunda, o que leva à anestesia parcial colateral de camadas sobrepostas de gordura, permitindo uma infiltração superficial mais tolerável. Aguardar por no mínimo 15 minutos após a infiltração garante anestesia e hemostasia máximas.

O uso de antibióticos preventivos não é necessário, mas podem ser considerados em pacientes de maior risco.

Após o procedimento da Subcisão é necessário evitar atividades físicas por 1 a 2 semanas e o uso de roupas apertadas por 2 a 4 semanas.

Uma cânula bifurcada ou uma agulha de 18 G é inserida de 10 a 20 mm na camada subcutânea do tecido adiposo, paralela à superfície da pele. Ao usar uma agulha não-cortante, a lâmina de corte é posicionada contra uma faixa fibrosa e a pressão é mantida quando a agulha é retirada, levando a movimentos de corte repetitivos até que um plano de dissecção seja criado.

A profundidade da subcisão é vital, uma vez que a subcisão realizada superficialmente demais pode resultar em elevação excessiva ou necrose da pele, enquanto a subcisão realizada profunda demais pode produzir uma melhoria insignificante nas depressões visadas. Não é de surpreender que a subcisão manual dependa da habilidade e técnica do profissional de medicina.

Um método de compressão é aplicado por 5 a 10 minutos para controlar o sangramento de vasos rompidos e prevenir hematomas, ao mesmo tempo em que permite contusões organizadas que podem melhorar a formação de colágeno e tecido conjuntivo.

Estudo realizado com 232 indivíduos com celulite avançada das nádegas e coxas demonstraram satisfação de 78,87% após um único tratamento.

Vinte e três indivíduos dessa amostragem (9,91%) foram acompanhados por 2 anos e constataram resultados persistentes.

Pós cirúrgico

Os eventos adversos pós-tratamento incluíram hematomas dolorosos por até 4 meses em 90% dos indivíduos e pigmentação por hemossiderina (ferro no sangue) por até 10 meses em todos os indivíduos, todos os casos foram resolvidos naturalmente, sem tratamento adicional.

Subcisão realizada por laser

A interrupção direcionada dos septos fibrosos subcutâneos também pode ser realizada com a entrega subdérmica percutânea de energia a laser.

Embora os comprimentos de onda do laser de 1064 nanômetros e 1320 nanômetros possam ser utilizados de forma eficaz para esse fim, um dispositivo de 1440 nm com uma ponta de fibra de laser de disparo lateral de 1000 m demonstrou ser seguro e eficaz para o tratamento da celulite em vários estudos clínicos.

Conclusão

A celulite afeta a maioria das pacientes do sexo feminino. Embora existam várias opções de tratamento a subcisão é uma terapia estabelecida que pode levar a uma melhora significativa na aparência clínica da celulite com um baixo risco de eventos adversos.

O aumento da compreensão da fisiopatologia complicada da celulite provavelmente melhorará as opções atuais de tratamento e levará ao desenvolvimento de terapias mais direcionadas em um futuro próximo.

Gostou do artigo?

Espero que tenha sido bastante esclarecedor.

Deixe a sua opinião ao final e visite o meu site para se tornar especialista em estética. Escolha qual curso se encaixa melhor pra você.

Conheça todos os meus cursos

Espero que tenha gostado desse artigo, para se especializar ainda mais em tratamentos estéticos, conheça todos os cursos que eu ofereço. Eu já consegui ajudar mais de 9.000 alunas e alunos.

Se gostou, compartilhe!

Tags


You may also like

Desidratação Epidérmica: Por que isso acontece?

O que você precisa saber para aliviar a Psoríase